Eleição 2018

– 8 vagas para conselheiros do COREM 4R (4 efetivos e 4 suplentes)
– 2 vagas para conselheiros do COFEM (1 efetivo e 1 suplente)
– mandatos de 3 anos (de janeiro/2019 a dezembro/2021)

Calendário Eleitoral 2018
– de 10/09 a 06/10 – divulgação do calendário eleitoral
– de 08/10 a 21/10 – recebimento de candidaturas
– até 26/10 – comunicação de deferimento ou indeferimento aos candidatos
– até 31/10 – recebimento de recursos
– até 07/11 – julgamento e comunicação de recursos
– de 08/11 a 10/11 – divulgação dos nomes dos candidatos
– até 12/11 – convocação de eleição
– de 13/11 a 22/11 – período eleitoral
– em 23/11 – apuração dos votos por Comissão Eleitoral e divulgação de resultados

Os museólogos poderão votar por meio de correspondência postal (carta registrada) ou eletrônica (e-mail).
A correspondência enviada deverá ser identificada com nome e número de registro.
Serão considerados válidos os votos por carta recebidos até às 17:00 horas do dia 22/11/2018 e os votos por e-mail enviados até às 23:59 horas da mesma data final do período eleitoral.

Requisitos para candidatura (resumo)
– ser cidadão brasileiro
– estar em pleno gozo de direitos profissionais e civis
– possuir data de registro no COREM anterior a um ano
– exercer atividade profissional na região em que está inscrito
– dados de identificação
– curriculum vitae – uma lauda, no máximo, com informações sobre graduação ou pós-graduação em Museologia, participação no sistema COFEM/COREMs, atividades atuais, instituição de trabalho, entre outras

39a. Assembleia Geral Ordinária
– 24/11/2018 – das 10 às 13 h – com posse dos novos Conselheiros do COREM 4R e eleição de Diretoria, podendo haver recondução aos cargos

Local
Casa das Rosas
Av. Paulista, 37 – Bela Vista – São Paulo – SP

Manifestação do COFEM sobre a MP 850

Manifestação do COFEM sobre a MP 850, encaminhado, a pedido, à liderança do PPS, na Câmara dos Deputados e às demais lideranças

O COFEM considera que a Política Nacional de Museus precisa ser mantida. Gestada de forma democrática a partir de 2003, foi aprovada por unanimidade, após massiva consulta à sociedade civil. O IBRAM foi a plataforma para a execução dessas políticas, voltadas não apenas para os vinte e sete museus a ele ligados, mas para os quase, hoje, 4000 museus brasileiros.

As ações do IBRAM foram decisivas para o desenvolvimento global da área museológica no país, tais como: interiorização da museologia (criação do Sistema Nacional de Museus e dos Sistemas Estaduais e Municipais); um consistente Programa de Educação em Museus; capacitação (oficinas técnicas atingindo democraticamente todas as regiões no território brasileiro); implantação dos Pontos de Memória; Editais de Fomento para várias linhas de trabalho; as pesquisas que geraram as primeiras estatísticas para o setor museológico brasileiro e que deram origem a um conhecimento inédito sobre a área; além disso foi desenvolvida outra plataforma para registro dos museus brasileiros e do seu patrimônio, onde estão disponibilizadas inúmeras informações desse setor. O resultado desse trabalho foi o reconhecimento e a valorização da diversidade cultural do país, além da proteção ao patrimônio museológico brasileiro e a democratização da visitação aos museus, em todas as classes sociais, através de programas de incentivos e do baixo valor dos ingressos.

Não podemos deixar de citar a capilaridade nacional e internacional alcançada pela Museologia brasileira através do Programa IBERMUSEUS, além da liderança de proposta à UNESCO do documento “Recomendação para proteção e promoção dos Museus e Coleções, sua diversidade e seu papel nas sociedades”, assinado em Paris em novembro de 2015.

Foram também realizadas outras ações abrangentes como os sete Fóruns Nacionais de Museus e seus respectivos Relatórios e diversas publicações técnicas e estatísticas.

O que faremos com toda a ação capilarizada no país que tem o IBRAM como referência e na maioria das vezes como seu único interlocutor?

Somos contrários à MP 850, porque ao não levar em consideração as conquistas havidas no setor museológico brasileiro elimina-se a garantia da continuidade da democratização da museologia brasileira, como um bem público a ser preservado.

Sugerimos então como encaminhamento:
– a manutenção do IBRAM como autarquia gestora dos museus;
– ajuste da legislação para que o IBRAM seja o gestor do Fundo de Museus (MP 851);
– aprovação do Fundo de Desenvolvimento de Museus já aprovado no Senado e à espera de votação na Câmara dos Deputados;
– garantir que os cargos e funções com perfil de atividades previstas no Artigo 3º da Lei 7287/84 sejam ocupados e desenvolvidos pelo museólogo graduado nos dezesseis cursos de graduação e cinco de pós graduação, 95% deles surgidos a partir da Política Nacional de Museus.

—–

Informações sobre tramitação de medida provisória

Programa de Recuperação de Créditos

O Programa de Recuperação de Créditos no âmbito do Sistema COFEM/COREMs pode conceder parcelamento e outros incentivos para a quitação de dívidas.

Os Conselhos Regionais de Museologia estão autorizados a promover conciliações administrativas até 30/07/2018.

Veja Negociação de Dívida (Resolução e Termo Administrativo) em Documentos.

Evento História Viva

Evento do Instituto de Estudos Brasileiros da Universidade de São Paulo

Apresentação do projeto de pesquisa O Legado Teórico de Waldisa Rússio Camargo Guarnieri
Pesquisadora responsável: Viviane Sarraf
Pesquisadora associada: Cristina Bruno
Bolsista Treinamento Técnico: Léa Blezer
Bolsista Iniciação Científica: Sophia de Oliveira Novaes

Conteúdo: Relato da biografia de Waldisa Rússio Camargo Guarnieri, por Viviane Sarraf e Léa Blezer, com ênfase na atuação profissional e contribuições conceituais para a Museologia e a Preservação de Patrimônio.

Data: 23/03/2018
Horário: das 14:30 às 17:00 h
Local: Arquivo do IEB-USP – Espaço Brasiliana

Avenida Professor Luciano Gualberto, 78, Cidade Universitária, São Paulo, SP – Sala 47

Pós-Graduação em Museologia/USP

PROCESSO SELETIVO 2018

Estarão abertas, no período de 01 a 20 de março de 2018, as inscrições para processo seletivo visando o preenchimento de até 20 vagas no curso de Mestrado do Programa de Pós-Graduação Interunidades em Museologia/USP, turma a ser iniciada no 2º semestre de 2018.

Informações

http://sites.usp.br/ppgmus/

Inscrições

Serviço de Pós-Graduação do Museu de Arqueologia e Etnologia/USP

– de segunda a sexta-feira, das 9 às 12 h e das 14 às 17 h